terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Strata - pão amanhecido, queijo, ovos...e uma refeição!!




Basta eu fechar os olhos e vem a lembrança muito nítida da casa da Nonna, minha avó materna, que eu já disse aqui, era brasileiríssima. Mas, ela, a D. Odette, era casada com o Seu Léo, o Nonno, nascido na  Áustria, em Fiera di Primiero, divisa com a Itália, que passou a pertencer à Itália após a Primeira Guerra., então, ele era o Nonno e ela, claro, era a Nonna...

Voltando à casa da Nonna...eu morava bem pertinho e ia lá sempre (sempre, entenda, quase todo santo dia!). Além da casa ser um sonho (ocupava um quarteirão, na Rua Mococa nª 91, no Sumaré, em São Paulo) a Nonna e o Nonno foram os melhores avós que uma pessoa poderia ter. Carinhosos, acolhedores, cheios de histórias (pudera, a Nonna era escritora! ganhou vários prêmios, inclusive o Prêmio Jabuti)...ô saudades! 

Além de a Nonna fazer, todos os sábados, almoço para a família inteira (8 filhos, seus pares, muitas vezes, pares presentes e passados, ou seja marido/mulher atual e antigo, quase 30 netos, mais apensos, que sempre foram bem vindos!) a gente podia aparecer lá a qualquer hora e almoçar, jantar, comer bolo (que sempre tinha!) ou, simplesmente, mexer na gaveta dos netos, lá na cozinha, que sempre tinha chocolate, bolacha etc etc. 

Além de tudo isso, a Nonna cozinhava muuuuito bem, assim como minha mãe. Qualquer refeição era um banquete, não de ostentação e luxo, mas de sabor, criatividade e afeto. É sério. Aliás, na casa da Nonna nenhum alimento se perdia. Quem passou por duas guerras e criou oito filhos, mais uns tantos filhos postiços, não podia desperdiçar.Uma das coisas que a Nonna fazia com frequência, para incrementar o jantar e utilizar sobras de pão, era um "treco de queijo", como eu falava para minha mãe. Eu adorava aquilo. Nunca pegamos a receita...


A Nonna, para mim, era eterna. Então eu e minha mãe temos muitas receitas de coisas que a gente queria fazer em casa, mas aquelas coisas que a gente sempre comia lá, acho que na minha cabeça, a gente sempre iria comer...E aquele era um prato para comer lá.

Depois de muito xeretar pela internet, cheguei à conclusão que era algo parecido com a Strata, que nada mais é que pão amanhecido, queijo e qualquer outra coisa, ou mais nada, em camadas, regado com uma mistura de ovos, leite e temperos. Olha aí em baixo...não dá água na boca??



Chega de aborrecer vocês com meu papo furado e vamos ao que interessa. A receita:

INGREDIENTES (não é uma receita de quantidades exatas, pode ser alterada a gosto, adicionando o ingrediente que você quiser!)

- 3 pães amanhecidos cortados em fatias médias
- 5 ovos
- 2 xícaras de leite
- queijo em fatias quanto baste (usei muçarela, porque é o que eu tinha em casa, mas quanto mais saboroso o queijo, melhor!)
- queijo parmesão quanto baste
- o que mais quiser (eu coloquei tomates)
- sal, pimenta do reino e cebolinha (usei a cebolinha francesa - é tão bonitinha...)

MODO DE FAZER

Unte bem um refratário com manteiga (já deixei de fazer isso, então recomendo enfaticamente! hahaha). Coloque ali fatias de pão até cobrir o fundo. Sobre as fatias coloque uma generosa camada de queijo ( a gosto). Sobre o queijo eu coloquei tomates e você pode colocar o que quiser (ervas, presunto, sobras de carne de panela etc) ou não ponha mais nada, porque fica ótimo assim, só com o queijinho, jogue bastante parmesão ralado. Comece outra camada de pão e repita tudo até acabarem os pães, terminando com uma camada de pão. Em uma vasilha coloque os ovos, o leite, o sal, a pimenta do reino, a cebolinha e bata com um fouet. Regue os pães com esta mistura e salpique  uma generosa camada de parmesão. Deixe descansar por uma hora, no mínimo, na geladeira (para o pão absorver bem o líquido), aí leve ao forno (200ªC) até estar bem dourado. Pronto!! Não tem o gosto da casa da Nonna hahaha, esse sabor só no meu coração...mas, é delicioso, garanto! 












Um comentário:

  1. Minha querida Marina, de papo furado, aqui não tem nada. Muito pelo contrário, tem tudo que aprecio, uma boa prosa, memórias gustativas, carinho, comidinhas simples e gostosas, além de outras sofisticadas. Sem esquecer as fotos lindas!
    Aqui tem uma comunidade italiana, que procura manter as tradições e elaborou um circuito italiano. Tive o prazer de fazer esse passeio e uma das histórias que ouvi lá foi sobre a 2ª guerra e como faziam para alimentar os filhos, escondidos numa gruta para não serem convocados. Acho que você vai gostar de ler: http://www.nacozinhabrasil.com/2009/04/circuito-italiano-parte-ii.html
    Publiquei há tempos uma "pizza fingida", que é bem assim como essa receita, feita numa assadeira antiga com presilhas. Dá uma olhada: http://www.nacozinhabrasil.com/2010/12/pizza-fingida.html
    Bjs.

    ResponderExcluir